Carta AML_Autocarro 333-TST (1)_001

PS do concelho da Moita escreve carta à AML

Face à realidade da carreira do TST – 333, o PS do concelho da Moita, através do Secretariado da Comissão Política Concelhia, pretende transmitir à Área Metropolitana de Lisboa que considera importante a reavaliação dos indicadores de procura do referido autocarro e consequentemente a reapreciação da oferta, num circuito particularmente importante para trabalhadores e estudantes, e, em consequência, encontrarem-se as melhores soluções, que estamos certo terão resposta.
 
 
“Exmº Senhor
Presidente da Área Metropolitana de Lisboa
 
A opção de viajar no transporte coletivo deve ser incentivada porque constitui uma forma sustentável de substituir o transporte privado com as suas inúmeras vantagens.
A introdução do passe único no território da Área Metropolitana de Lisboa (AML), onde nos situamos, bem como em todo o continente, foi, por certo, uma das medidas mais importantes da democracia, com efeitos muito significativos particularmente nos planos social e ambiental.
Sendo certo que se trata de um processo de instalação exigente onde Governo e Municípios estabelecem, através da AML, no caso, uma parceria saudável e proveitosa para os cidadãos, é importante que, até à conclusão do mesmo, exista capacidade de corresponder às necessidades. Ou seja, sabendo-se que vão ser lançados concursos internacionais para efeitos de garantia da oferta futura de transportes públicos e que o processo administrativo-burocrático tem a sua tramitação, importa que, neste lapso de tempo até à conclusão desses concursos exista capacidade de adaptação à realidade, ajustando-se a oferta à procura.
A carreira 333, da operadora Transportes Sul do Tejo, com início de marcha no Vale da Amoreira e que tem como destino a Gare do Oriente, em Lisboa, atravessando o concelho da Moita, é estratégica e fundamental para muitos munícipes.
Acontece que tudo indica que com a introdução do passe social único a mesma carreira, que já apresentava alguns problemas, começou a ter procura acrescida e, portanto, a ficar lotada logo no Vale da Amoreira quando existe ainda mais 7 paragens dentro do concelho da Moita.
Se antes a seleção do transporte era condicionada pelo custo, hoje esse fator foi ultrapassado, acredita-se, por escolhas que dão prioridade ao tempo da deslocação e pelo conforto. Parece ser o caso do 333.
Assim e face a esta realidade, o PS do concelho da Moita, através do Secretariado da Comissão Política Concelhia, pretende transmitir à Área Metropolitana de Lisboa que considera importante a reavaliação dos indicadores de procura do referido autocarro e consequentemente a reapreciação da oferta, num circuito particularmente importante para trabalhadores e estudantes, e, em consequência, encontrarem-se as melhores soluções, que estamos certo terão resposta.
 
Com os melhores cumprimentos.
 
Moita, 22 de maio de 2019
P´lo Secretariado da Comissão Política do Partido Socialista da Moita,
 
Carlos Albino
Presidente da Comissão Política Concelhia do Partido Socialista da Moita”