Barracas

Resumo da Assembleia Municipal de 24 de fevereiro de 2017

No dia 24 de fevereiro de 2017, decorreu mais uma Assembleia Municipal.
Tensa como é hábito, com o PCP cantando louvores ao Executivo Municipal enquanto o Presidente da Câmara desvaloriza o problema nos cemitérios onde desaparecem ossadas ( ” foram só 4 ossadas num cemitério onde se fazem centenas de funerais e levantamentos “), ou a existência de barracas mesmo à vista das instalações da câmara. (“ … são alojamentos temporários, não são barracas”) .
As Atas aprovadas tinham 1 ano de atraso e das mesmas tinham desaparecido afirmações fundamentais, mas inconvenientes, claro.
O problema do Aeroporto do Montijo e a Descentralização Administrativa foram o prato forte da Reunião donde resultaram fortes críticas ao Governo manifestadas numa desconfiança atroz e exigências inexplicáveis.
O PS apresentou uma Moção que foi rejeitada, em que identificava os inconvenientes e riscos para as populações da Baixa da Banheira e Alhos Vedros e pedia o aprofundamento dos Estudos de Impacto Ambiental, para além de eventuais contrapartidas, e necessário envolvimento da CMM e da avaliação da melhor solução: Alcochete/Montijo.
O PCP apresentou outra sobre o mesmo tema mas numa defesa quase visceral da solução Alcochete, que naturalmente venceu, enfatizando os riscos sobre as populações do concelho. Quedas de aeronaves, de motores, parafusos…. desvalorizando os menores custos do investimento e os benefícios para a região a curto prazo.
O PS entregou um Requerimento à Mesa com 14 perguntas sobre a organização dos cemitérios e exigindo o resultado das averiguações da profanação dos ossários.
O PS apresentou igualmente uma Moção sobre o Dia da Mulher que foi aprovada por unanimidade e reclamou a falta de resposta ( 147 dias ) ao Requerimento apresentado sobre as Sondagens Eleitorais e sobre a qualidade da resposta ao Requerimento sobre a segurança dos equipamentos municipais.

Barracas